A Lua Negra

A pária, a bruxa queimada.
Mulher rebelde, calada.
Nas brumas do tempo esmagada.

Mas hoje Lilith renasce das cinzas, resgata o brilho, o seu poder.
Inteira, cura-se a si própria.
Já não depende de ninguém.
Voa com as sílfides, escuta o canto das ondinas, conhece os segredos das salamandras e o magnetismo dos cristais.

Em sintonia com a sua essência, já não receia o confronto com a sombra, reflexo num espalho quebrado.
É a Virgem, a Mãe e a Feiticeira.
A Deusa Tríplice da natureza adormecida, que se prepara para despertar.

O pássaro ferido mil vezes, recupera lentamente. Renasce das cinzas.
Sacode as penas brilhantes, levanta voo com a Águia que sobrevoa os seus domínios.

Com o lobo da floresta, liberta de amarras e grilhões,
corre solta pela montanha, venera a Lua, em Liberdade.

 

Inês Soares, 2020
Foto: Carole Lombard

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *